A evolução dos Data Centers no mercado

A evolução dos Data Centers no mercado

O desenvolvimento das tecnologias e expansão de áreas como Internet das Coisas (IoT), Big Data e softwares corporativos tem gerado uma grande demanda de armazenamento. Segundo o Gartner, em 2018, os investimentos mundiais em Tecnologia da Informação deverão superar US$ 3,6 trilhões, contabilizando uma alta de 4,5% comparado a 2017.

Os Data Centers são espaços físicos de armazenamento que oferecem toda a infraestrutura para que os sistemas digitais possam atuar em rede e guardar as informações de empresas e usuários. Eles garantem o acesso aos dados de todos os websites do mundo, além de serviços virtuais como bancos, empresas de crédito, seguradoras, entre outros.

Em plena expansão, esses espaços atendem à uma grande parte do mercado. Uma pesquisa realizada pelo site especializado Data Center Dynamics, apontou que o mercado de Data Center brasileiro não para de crescer. Segundo 800 líderes de TI ouvidos pelo portal, os projetos de infraestrutura digital são prioridade nos orçamentos, e para 51% deles, a contratação de serviços de Data Center, cloud ou colocation está nos planos de curto prazo.

As empresas estão trabalhando para a construção de máquinas mais compactas com a ocupação de uma metragem reduzida. O objetivo é que os Data Centers sejam cada vez mais modulares, pequenos, construídos por zonas [múltiplas camadas] e escaláveis verticalmente. Claro que esse ainda é um protótipo para o futuro, mas muitos avanços já estão sendo feitos nesta área. Hoje, os Data Centers já possuem 400% a mais de capacidade e usam 60% menos espaço, comparados aos antigos.

A expansão dos serviços digitais e o uso correto e eficiente das ferramentas tecnológicas, também dependem da evolução desses espaços de armazenamento, que tendem a crescer cada vez mais.

Fontes: Furukawa | Exame